Descendo o Rio Balsas nos braços do buriti

Por Ed Wilson Araújo

Descer o Rio das Balsas na rústica balsa de buriti é uma tradição que vem se mantendo na cidade de Balsas, para homenagear os pioneiros da navegação do sul do Maranhão que usavam uma embarcação construída totalmente com materiais da palmeira buriti (Mauritia flexuosa). Um dos principais entusiastas de tradição da balsa de buriti é o bioquímico José Itamar Pires da Silva.

Contam os antigos que o uso da balsa na navegação na região teria sido ideia do mercador baiano Antônio Ferreira Jacobina, após a morte de seus animais. Os ribeirinhos passaram então a utilizar essa embarcação para acesso às fazendas de Riachão e transporte de mercadorias. Como muitas balsas trafegavam pelo rio, o porto das Caraíbas passou a ser chamado de Porto das Balsas e o povoado cresceu se transformando em vila Santo Antônio de Balsas (1892), depois cidade de Balsas (1943), localizada a 752 quilômetros da capital São Luís.

Dos braços da planta se fazem os feixes que amarrados uns aos outros compõem a base da balsa. Os lemes são feitos a partir da parte larga da planta. Quase 80% do que se usa para construção da balsa pode ser reaproveitado no ano seguinte.

A cobertura da balsa que era de palha mudou para lona plástica, devido recomendações do Corpo de Bombeiros e da Marinha do Brasil, que fazem uma palestra orientando os passageiros sobre os cuidados que devem ter durante o percurso.

A descida ocorre geralmente no período de julho a agosto, quando o rio não está cheio nem muito raso, proporcionando as condições ideais de navegabilidade da balsa.

A embarcação é feita sob encomenda e guiada pelos mestre e contramestre, que se posicionam na proa e na popa da balsa, combinando os movimentos do leme durante toda a viagem, demonstrando grande habilidade.

Os passeios turísticos podem ser de um, três e cinco dias. A descida mais curta sai de Santa Luzia, após um percurso de 28 km de caminhão por uma estrada vicinal. A viagem começa por volta de 9h da manhã, descendo-se o rio até a sede do município, com chegada por volta de 17h30. O passeio de três dias sai do Porto da Tomázia, distante 130 quilômetros da cidade de Balsas. Do Porto de Gregório começa o passeio de cinco dias.

Os preparativos para o embarque incluem vestir coletes salva-vidas e acomodar mantimentos para lanche e almoço, bebidas, equipamento de som e churrasqueira. Nas laterais da balsa amarram-se boias feitas de câmaras de pneus de veículos que são utilizados também para descer o rio durante todo o percurso.

A balsa se desloca lentamente no leito do rio, ainda bastante preservado até próximo da cidade, permitindo tomar banho, flutuar nas boias e navegar de caiaque no entorno da balsa de buriti.

A descida de balsa oferece várias sensações: encontro de amigos para o lazer, apreciar a natureza e a parte preservada do rio, bem como a vegetação e a morfologia nas margens.

O comandante Antônio Félix, há 19 anos nesse serviço, pode ser contratado no número (98) 988338407. Ele organiza a parada para almoço e o churrasco a bordo da balsa.

Veja o vídeo, de autoria de Marizélia Ribeiro 

Deixe uma resposta

22 − = 18