Dreyfus Nabor Azoubel

Visão panorâmica de São Luís, ano de 1950, a partir da área do São Francisco, de autoria de Dreyfus Nabor Azoubel (1919-2002).

Ave Azoubel que ousou deixar as nuvens nessa pintura.

A cidade e o Rio Anil são evidenciados no meio do contraste entre o céu claro de São Luís e o negro das pedras da Ponta do São Francisco. A pequena embarcação parece desenho.

As pedras ficavam, mais ou menos, no local onde está a Ponte São Francisco.

Pintores e fotógrafos fizeram panorâmicas de São Luís a partir de áreas do São Francisco. Destaque à litogravura de Manoel Cauto, de 1864, e fotografia no Album do Maranhão de 1908, assinado por Gaudêncio Cunha.

Azoubel nasceu em São Luís e aprendeu a fotografar com o pai, o fotógrafo Leão Menagem Azoubel, falecido em 1951.

Em 1931, o jornal O Imparcial contratou Dreyfus Nabor Azoubel , ainda adolescente.

Entre as coberturas jornalistas, ele fotografou o naufrágio da embarcação Maria Celeste, no Rio Anil (próximo à Avenida Beira-Mar), no dia 16 de janeiro de 1954.

Os filhos dele, Uziel Azoubel e Antônio Martins, também, são fotógrafos.

Fui um dos últimos repórteres a entrevistar Azoubel, em 11 de junho de 2001. Uma pessoa doce, tranquila e amável.

A imagem e o fotojornalismo do Maranhão tem a assinatura de Azoubel.

Deixe uma resposta

56 + = 58