Portugal terá dia e memorial às vítimas da Inquisição

Portugal deve instituir um dia e construir um memorial para lembrar as vítimas da Inquisição. A petição, de março deste ano, foi aprovada no parlamento português no fim de novembro.  A notícia repercutiu, neste fim de ano, em artigos em vários jornais e sites do mundo.

A Inquisição Portuguesa chegou ao Maranhão. O assunto é tema do livro “O Santo oficio da Inquisição no Maranhão: a inquirição de 1731”, de autoria da historiadora da Universidade de São Paulo (USP), Anita Novinsky (Editora: Uema, 2006 – Série: Coleção Leitura Maranhenses).

O site do Parlamento Português informa que a petição que solicita e justifica a “Criação de dia e de memorial às vítimas da Inquisição” tem como peticionante o historiador Jorge Emanuel Duarte de Carvalho Martins. O relator é o parlamentar Pedro Delgado Alves (PS). Veja a Petição.

O Dia Memorial das Vítimas da Inquisição será 23 de maio. Nesta data, em 1536, se estabeleceu o Tribunal do Santo Ofício em Portugal, por meio da bula papal Cum ad nil magis.

Monumento em Évora

Em Évora, também em Portugal, já existe, desde 22 de outubro de 2016, um monumento da Inquisição. Fica entre a fonte da Praça do Giraldo e a Igreja de Santo Antão, onde se realizaram diversos autos-de-fé.

De acordo com Jornal Diário de Notícias  (Portugal), a inauguração do monumento de Évora ocorreu na data em que foi lida na Sé de Évora, perante o rei D. João III, a bula papal que autorizava a instalação e o funcionamento, em Portugal, do Tribunal do Santo Ofício.

Tribunal do Santo Ofício]

O Tribunal do Santo Ofício deixou de vigorar, oficialmente no Reino de Portugal em 31 de março de 1821. Funcionou por 285 anos. Aceitava denúncias de pessoas desconhecidas e a sua confissão podia ser obtida por meios de tortura física ou mental.

Depois, funcionou como parte da Cúria Romana, mas recebeu um novo nome. Em 1904, esse tribunal passou a ser chamado de Suprema Sagrada Congregação do Santo Ofício. Em 1965, tornou-se a Congregação para a Doutrina da Fé.

De acordo com o jornal The Jerusalém Post (Israel), que também repercutiu a notícia, os tribunais da Inquisição organizavam os auto-de-fé, rituais de penitência pública para aqueles considerados hereges por inquisidores da igreja. Foi responsável pela deportação, sentença e morte de centenas de judeus.

O historiador Jorge Martins, autor desta petição, explicou ao jornal Sábado (de Portugal) que, durante os séculos em que a Inquisição vigorou em Portugal, deram entrada mais de 45 mil processos nos vários tribunais.

Jorge Martins informa que o Tribunal do Santo Ofício foi criado para “prender e castigar os judeus que tinham sido baptizados contra a sua vontade em 1497, embora acabasse por também perseguir outras vítimas, tais como muçulmanos, protestantes, ateus, homossexuais, feiticeiras e bígamos”.

Antes do início da Inquisição e nove anos depois da conversão forçada dos judeus em Portugal, em 1497, durante o reinado de D. Manuel I, houve o Massacre de Lisboa de 1506 (Pogrom de Lisboa ou Matança da Páscoa de 1506). Uma multidão perseguiu, torturou e matou centenas de judeus (mais de 4000, segundo o relato contemporâneo de Garcia de Resende), acusados de serem a causa de uma seca, fome e peste que assolavam o país.

Inquisição no mundo

Inquisição é um sistema jurídico da Igreja Católica Romana, que incluiu tribunais, cujo objetivo é combater a heresia. Começou na Idade Média (século XII), na França. No final da Idade Média e início do Renascimento, foi ampliado em resposta à Reforma Protestante e em apoio a Contrarreforma Católica.

A expansão foi, principalmente, nos reinos de Portugal e Espanha, incluído as colônias nas Américas, África e Ásia.

A estimativa que tenha atingido cerca de 150 mil pessoas, das quais perto de três mil foram assassinadas.

Museus

No Brasil, foi inaugurado, em 2012, em Belo Horizonte, o Museu da História da Inquisição do Brasil.

Veja o vídeo institucional do museu

Veja o Video de Anita Novinsky falando da inquisição e do museu

Inquisição da América do Sul

Há, também, o Museu da Inquisição de Lima,  o mais visitado do Peru.Museu da Iquisição em Lima

O Tribunal do Sano Ofício chegou ao Peru ainda no século XVI, em 1570, seu alcance era amplo: Chile, Argentina, Colômbia, Venezuela e ilhas do Caribe.

A primeira vítima condenada à fogueira foi um prisioneiro francês, em 1573, acusado de professar a fé protestante. Vários portugueses foram julgados nesse tribunal.

Deixe uma resposta

53 − 52 =