poesia não vale

celso borges

fotos: eduardo j.

efeitos: claudio lima

eu

vi

ali

nódoas e anáguas de claudio costa

ventre em riste

mangue em transe

ou

vi

águas de cris campos perfumando

o sal marinho dos quintais

e

bebibabei

o samba saliva

de patativa

debaixo

da

mangueira

salve, rainha

a vós bradamos

os degredados filhos de eva

a vós suspiramos

neste vale de lágrimas

foto

grafei

wilka salles nua branca

densa pânica

walter firmo

embalando pixinguinha

driblando as pernas de garrincha

e

cartola inteiro

alvorada no terreiro

rei

hiorlando ria

em

passeata rural

de pássaros cobras

peixes

de pau e língua pra fora

dentro é lindo

mas quando entro 

sempre sopra um pesadelo

sobre

os

ombros do mundo

do chão de minas a são luís

uma lama marrom

escura

escorre

em

metástase catarro

o

Centro Cultural

Não Vale Maranhão

1 comentário

Deixe uma resposta

2 + 3 =