Terapia ensina a lidar com situações de conflito trabalhando o autoconhecimento

A terapia Constelação Sistêmica está sendo utilizada, na atualidade, para a solução de conflitos em áreas diversas do convívio social, a partir da observação da própria realidade

Seja pessoal, familiar, no meio escolar ou de trabalho, a terapia da Constelação Sistêmica propõe o conhecimento de si para que os problemas sejam solucionados. Essa linha filosófica espiritual parte do princípio que o ser humano não deve ser visto de forma individual apenas, mas como parte de um sistema que considera suas gerações passadas.

A nova terapia tem atraído adeptos e despertado o interesse da comunidade terapêutica. Para entender mais sobre o assunto, o Instituto de Estudos Sociais e Terapias Integrativas (IESTI) promove o curso Formação em Constelações Sistêmicas, que está com inscrições abertas na sede do instituto, Rua do Farol, n-8, bairro São Marcos, até dia 31 de maio.

A formação vai explicar as aplicações da terapia e seus resultados diretos para um melhor convívio social e administração de questões diversas, conforme explica o psicólogo e presidente do IESTI, Aziz Santos. “A Constelação Sistêmica trabalha a partir de ‘elementos de informação’ transmitidos em um sistema familiar, a nível biológico, que ocorre através de nossos genes; e em um nível psicológico, parte primeiramente de comportamentos baseados em relacionamentos, observação e imitação.

O curso se destina a profissionais psicólogos, pedagogos/professores, terapeutas, médicos, sociólogos, advogados, juízes, promotores, conciliadores da justiça, assistentes sociais, consultores organizacionais e quaisquer pessoas que buscam o autoconhecimento. “Este modelo de terapia cada vez mais ganha adeptos e tem funcionalidade em situações e ambientes distintos, com fins a mediar conflitos em família, na escola, no trabalho e nas relações sociais como um todo”, reforça Aziz Santos.

A terapia da Constelação Sistêmica é uma criação do psicoterapeuta alemão Bert Hellinger. Trata-se de um método psicoterapêutico que estuda os padrões de comportamento dos diversos grupos sociais através de suas gerações. Hellingerse deparou com esse fenômeno nos anos 70, após observar os estudos de Virginia Satir, psicoterapeuta americana que analisava as estruturas familiares.

Segundo suas observações, se uma pessoa desconhecida é indicada a representar uma família ou pessoa de grupo familiar, ainda que não a conheça, tende a reproduzir sintomas físicos e comportamentais semelhantes desse grupo ou pessoa. Na prática, a terapia mostra que os problemas, doenças, incompreensões e sentimentos ruins podem estar ligados a outros familiares que passaram pelas mesmas adversidades.

Aplicação

Em uma sessão de Constelação Sistêmica, o paciente, chamado de constelado, escolhe entre os voluntários quem lhe representará e ao seu problema, que pode ser de ordem afetiva, financeira, alimentar, familiar e outros.

A abordagem por meio da Constelação Sistêmica permite ainda aplicações nos aspectos empresarial (são abordadas questões ligadas a liderança, hierarquia e até mesmo ao sentimento de pertencimento das pessoas que fazem parte da empresa); profissional (aborda traumas, medos ou ainda relações que impedem os profissionais de descobrir os seus verdadeiros dons e talentos e possibilita identificar habilidades profissionais dos colaboradores de forma clara e autêntica); pessoal e familiar (nas sessões, pessoas são convidadas para representar os personagens que fazem parte do problema que precisa ser superado). Todas as abordagens têm como finalidade melhorar as relações nesses meios sociais.

Quem administra a técnica é chamado ‘constelador’ e orienta o paciente na interpretação de sua história, considerando seu sentimento no momento. “A terapia propõe que, ao visualizar a própria vida, a pessoa consiga rever conceitos, identificar problemas e, consequentemente, encontrar superação”, reforça Aziz Santos.

 

Desde 2018, a terapia é oferecida também pelo Sistema Único de Saúde (SUS) como prática integrativa, servindo de apoio aos demais procedimentos médicos.

O IESTI

O Instituto de Estudos Sociais e Terapias Integrativas (IESTI) foi fundado em 2003 e atua a partir de projetos na área das terapias integrativas, cultura, meio ambiente, desenvovimento social local / educação, esporte e tecnologia. Promove formações, palestras, workshops, projetos culturais, educacionais e esportivos. Em sua equipe conta com advogados, psicólogos, terapeuta holísticos, produtores culturais, profissionais mestres e doutores nas áreas de sua atuação.

SERVIÇO:

O  QUÊ – Inscrições para o curso Formação em Constelações Sistêmicas

ONDE – Na sede do IESTI, à Rua do Farol, n-8, bairro São Marcos

QUANDO – Até dia 31 de maio

MAIS INFORMAÇÕES: (98) 98853.1846 ou (98) 982839896.

Deixe uma resposta

5 + 2 =